Claustros Medievais – Santo Silêncio

Claustro da Catedral de Gloucester, Inglaterra.

O silêncio é a oração dos sábios.

 Augusto Cury

 

 Claustro, recinto quadrilátero cercado por passarelas cobertas e, geralmente ligado a uma igreja monástica ou catedral e às vezes a uma faculdade. O termo usado em um sentido restrito se aplica às passarelas e a seus vários caminhos do seu interior. A área central, amplo sentido, abrange em geral as casas das ordens religiosas, jardins, capelas e, em um sentido genérico para lugares de retiro para fins religiosos e discussões estruturais e administrativas, como as Salas Capitulares*.

Sua estrutura, sua edificação arquitetônica era feita no sentido de proporcionar o mais restrito e completo retiro espiritual aos seus moradores. O “santo silêncio” não deveria ser perturbado pelos ruídos do mundo lá fora. Os claustros medievais educavam, formavam novos soldados da fé católica, monges, cônegos, abades, etc., através da clausura, mas de intensa dedicação e trabalho na manutenção espiritual e material do local onde viviam.

Claustro da Abadia Canterbury, Inglaterra.

Um claustro é geralmente a área em um mosteiro em torno do qual os edifícios principais são variados, proporcionando um meio de comunicação entre os edifícios. Na prática medieval desenvolvida, os claustros costumavam seguir um arranjo beneditino ou cisterciense. Na forma beneditina, a igreja estava localizada de um lado do claustro, com o refeitório ocupando o lado oposto, para que os adoradores pudessem ser removidos dos ruídos e odores da cozinha. A casa do capítulo foi colocada no lado leste, com outros apartamentos adjacentes a ele e o dormitório geralmente ocupando toda o seu entorno. No lado ocidental, encontrava-se a adega, perto de armazéns que possuíam as provisões da comunidade.

Nos monastérios cistercienses, o lado ocidental do claustro era habitualmente ocupado pelo domus conversorum* de dois andares, com as salas do dia e as oficinas situadas sob o dormitório. Os edifícios geralmente ficavam no sul da igreja para obter o máximo de luz do sol possível.

Claustro de Saint-Trophîme, Arles, França.

O claustro de uma casa religiosa era o centro de atividade para seus habitantes. Em suas salas adjacentes os membros mais jovens eram educados e os anciãos estudavam e eram tratados caso adoecessem. A caminhada oeste era tradicionalmente, se não oficialmente, o lugar da instrução educacional. As outras passarelas, especialmente as que ficavam ao lado da igreja, foram dedicadas aos estudos dos monges mais velhos e, neles se incluía canções de Natal, cantos em Geral, aprendizado para tocar órgãos e outros instrumentos essenciais para o coro das igrejas. O claustro também serviu para exercícios físicos e recreação geral, particularmente em mau tempo e, sua área central e passarelas eram os lugares habituais de encontros dos monges para conversas, meditações, etc.

Claustro da Abadia de Fontfroide, Narbonne, França.

Sala Capitular, corredor central do claustro da Abadia de Fontfroide, Narbonne, França.

Maiores estabelecimentos monásticos costumavam ter mais de um claustro; geralmente havia um segundo contato com a enfermaria (por exemplo, na Abadia Westminster e Canterbury) e às vezes um dando acesso à cozinha e outros escritórios domésticos. Os claustros também estavam ligados às faculdades de caminhos seculares, como nas catedrais de Lincoln, Salisbury e Wells; e as faculdades de Eton e Winchester, bem como New College e Magdalen College em Oxford, também têm claustros.

Os primeiros claustros consistiam em arcadas abertas, geralmente com telhados de madeira inclinados. Esta forma de claustro foi geralmente substituída na Inglaterra por uma variedade de janelas, geralmente não esmaltadas, mas às vezes, como em Gloucester, provido de vidro, iluminando um ambulatório abobadado. Nos climas do Sul, o claustro de arcada aberta permaneceu padrão; deste tipo são os claustros de Saint-Trophîme em Arles, no sul da França, Santo Domingo de Silos em Espanha e o Mosteiro de Belém, perto de Lisboa, todos os quais são famosos pela sua decoração escultural. No entanto, o claustro aberto alcançou o seu maior desenvolvimento na Itália.

Claustro de Iranzu, Abarzuza, Navarre, Espanha

Ahhh! Claustros silenciosos, moradas dos anjos, recintos de estudos. Quantas aptidões, ensinamentos repassou. Quantos choros ouvistes. Tristezas, muitas, mas opcionais. Risos, escassos, mas sinceros. Enfim que mundo maravilhoso onde foram construídos ideias e pensamentos de todos os modos e sentidos. Os que lá se recolheram de alguma forma ou de outra em algum momento, através do infinito silêncio, pois ele é uma confissão interior conversaram com os anjos e, isto com certeza deve ter ocorrido. Ahhh! Os claustros, enigma que só o vento decifra.  

Eu junto ao claustro da Abadia de Fontfroide, Narbonne, França
*Sala Capitular. A Sala do Capítulo é um salão encontrado em mosteiros, conventos, colegiadas ou catedrais onde era realizado o capítulo, ou seja, as reuniões entre os monges ou cónegos com os seus superiores, como abades, priores. Nestas assembleias podiam ser discutidas tanto as regras da ordem como questões relacionadas com a administração do mosteiro. Nos mosteiros, as salas do capítulo eram feitas de materiais nobres e robustos e ornamentados com esmero e encontravam-se junto aos claustros.
*Domus Conversorum” às vezes era usado também para descrever o lar dos irmãos leigos nos mosteiros.

Paulo Edmundo Vieira Marques, Professor, Historiador e Escritor Medievalista

Post Footer automatically generated by wp-posturl plugin for wordpress.

Tiny URL for this post:
 

2 thoughts on “Claustros Medievais – Santo Silêncio

  1. GIL Marie-Noëlle

    Bonsoir,

    Je découvre vos photos MAGNIFIQUES !! Je réside en Normandie et vos photos sur le Mont-Saint Michel sont très belles et lumineuses, je travaille sur les écritures médiévales : “onciale” “caroline”. Merci pour vos partages, cordialement.
    Marie-Noëlle GIL

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *