Semur-en-Auxois – A Cidade Criada Por Hércules

Construída sobre uma pedra de granito rosa, ao lado do rio Armançon, Semur-en-Auxois é uma cidade medieval por excelência. De acordo com a lenda, foi construída por Hércules em seu retorno da Espanha, no caminho para completar os doze trabalhos que lhe foi incumbido para se tornar um Deus. Para manter esta ideia “grega” de cidade, foi considerada e estimulada a ser chamada pela elite intelectual que nela residia de “a pequena Atenas da Borgonha” no decorrer do século XVIII. Basta atravessar as suas portas para nos transportarmos até o século XV.

É em 606, na carta de fundação da Abadia de Flavigny-sur-Ozerain, que se encontra o primeiro traço escrito sobre Semur, equivalente a muro, muralhas (paredes antigas) enfatizando assim o caráter defensivo do local. Na Alta Idade Média, o núcleo de habitantes primitivos é agrupado em torno dos muros construídos diante do enorme granito. No século XI, Semur tornou-se a cidade-chefe do município de Auxois, sendo integrada ao ducado da Borgonha. Ao longo dos séculos, Semur desenvolveu-se e, em 1276, tornou-se comuna e se beneficiou com as concessões e benefícios dados pelo duque da Borgonha Robert II. O monarca gostava muito da pequena fortaleza medieval e admirava e até acreditava que o vilarejo fora criado por Hércules.

A cidade assumiu toda a sua importância em meados do século XIV, na época da Guerra dos Cem Anos, quando o Duque Philip, “o ousado”, decide reforçar as defesas naturais do local construindo torres de vigília e proteção, um forte, em um lugar chamado Donjon situado entre o distrito do castelo e o bairro que se desenvolveu em torno do Igreja de Notre Dame.

A vida religiosa também era intensa, com duas paróquias e assentamentos monásticos que cresciam constantemente ao longo do tempo.

Semur-en-Auxois no vale do Armançon uma cidade extremamente fortificada no Auxois, era fiel aos Duques da Borgonha, a ponto de se opor à autoridade real. Uma posição que pagou um preço elevado quando, em 1478, as tropas francesas de Louis XI investiram contra a cidade e a ocuparam.

A cidade perdeu sua vocação defensiva para se tornar a capital administrativa de Auxois, em 1790, tornando-se cidade-chefe do distrito de Semur. Permanece até 1926, quando a sub-prefeitura é transferida para Montbard.

Em termos turísticos é um dos destinos mais concorridos da região atravessada pelo rio Armançon. Suas ruas rústicas com calçamentos medievais nos transportam a vários pontos inesquecíveis. O medievo pulsa.

Seguindo rumo a zona mais alta da cidade chegaremos à chamada Porta do Relógio, que nos leva a uma praça repleta de monumentos históricos que nos deixam boquiabertos tamanha beleza. As Quatro Torres é outro local para se visitar e se encantar pois as estruturas originais do Castelo de Semur ainda permanecem intactas em especial a torre de estilo renascentista em forma de tabuleiro de xadrez.

Cruzando a Ponte Joly que atravessa o rio Armançon podemos divisar as torres e obter excelentes fotografias panorâmicas da cidade, um lugar realmente de conto de fadas. Para um historiador, um museu a céu aberto.

Conhecer a Igreja de Notre Dame levantada no século XIII é uma recompensa para quem ama a arte gótica, por sinal toda a praça principal de Semur nos leva ao auge do gótico. Também vale a pena visitar o Convento dos Jacobinos, construído no século XVII que guarda em seu interior o Museu de História de Semur.  Enfim atrativos não faltam para esta linda cidade medieval, criada, segunda a lenda, por Hércules. Os amantes do medievo agradecem a presença do herói grego em seu contexto. Até um dia linda cidade.

Igreja de Notre Dame de Semur-en-Auxois, maravilha gótica.
 
Paulo Edmundo Vieira Marques – Professor, Historiador e Escritor Medievalista

 

Post Footer automatically generated by wp-posturl plugin for wordpress.

Tiny URL for this post:
 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *