As Catapultas do Medievo – Vizinhos Maus

As catapultas medievais são mecanismos de cerco que utilizam uma espécie de braço para lançar um objeto (pedras e outros) a uma grande distância, evitando assim possíveis obstáculos como muralhas e fossos.

Em termos técnicos, as armas de cerco aproveitavam os princípios de funcionamento de duas armas muito antigas, mas também muito eficientes: o arco e a funda, espécie de corda para atirar pedras. Em diferentes momentos históricos, foi o aprimoramento e a junção das duas invenções que permitiu o surgimento da artilharia. A partir delas dá para estabelecer duas linhas evolutivas para contar essa história. A primeira, que aconteceu no Ocidente, foi a que originou a catapulta propriamente dita. Com significado em grego indicando algo como “jogar contra”, a catapulta foi uma das poucas armas da Antiguidade com local e data de nascimento registrados: a cidade-Estado grega de Siracusa, na ilha da Sicília (atual Itália), por volta de 399 a.C. Mas há um mistério. O artesão que bolou a catapulta permanece desconhecido. Uma das explicações é que, provavelmente, o engenheiro que concebeu a peça era um escravo. E escravos não podiam levar a fama.

O invento, com uma tecnologia mais avançada, que ficaria conhecido no Ocidente com o nome de trebuchet, foi construído por forças cristãs que combatiam na Terra Santa durante a Terceira Cruzada (1189-1192). O comandante da expedição, o rei inglês Ricardo Coração de Leão, tinha uma adoração especial por dois enormes trebuchets apelidados por ele de Catapulta de Deus e Vizinho Mau, que abriram enormes brechas na fortaleza da cidade de Acre.

 

Originalmente, a palavra catapulta referia-se a um lançador de pedras, enquanto balista basicamente, uma grande besta que atirava diversas flechas e dardos, seguindo uma trajetória horizontal, semelhante a passar um prato rapidamente, de um lado para o outro, sobre uma superfície plana.

As manganelas eram catapultas enormes e com rodas, capazes de atirar pedras e outros projéteis, à grandes distâncias, normalmente contra as muralhas dos castelos. Os itens eram colocados em uma tigela ou balde e atirados com um braço, também conhecido como onagro.

A poderosa Trabuco era usada atirar muitas pedras, ou objetos em chamas, de uma só vez. Era considerada a catapulta mais perigosa de todas. Porém, através dos anos, os termos foram gradativamente sendo modificados.

Para preparar a catapulta, os soldados apertavam a corda, girando o sarilho. Com isso, as cordas na base do braço eram torcidas, ficando cada vez mais apertadas. Os soldados então colocavam no receptáculo uma pedra muito grande ou outros objetos, e depois soltavam a corda. As cordas em volta da base se desenrolavam todas ao mesmo tempo e o braço se movia para frente, lançando sua carga. Uma catapulta grande era capaz de arremessar uma pedra por até 460 metros de distância.

As catapultas em geral eram usadas para destruir muros de castelos. Para atacar um castelo, normalmente era necessária mais de uma. As catapultas também eram usadas para arremessar lanças contra um exército inimigo quando este avançava.

Os exércitos usavam catapultas grandes e pequenas. As menores eram montadas sobre rodas e levadas para as batalhas. Carpinteiros que viajavam com os exércitos construíam catapultas ao longo do percurso até as batalhas. As de grande porte geralmente ficavam em um só lugar e eram usadas pelos moradores das cidades e dos castelos para se defender.

Sem sombra de dúvida um vizinho indigesto, incômodo e letal durante uma batalha medieval. Arma que escreveu uma história militar medieval de extrema relevância e importância pois originou perspectivas sociais e políticas em vários reinos do medievo.

Paulo Edmundo Vieira Marques – Professor, Historiador e Escritor Medievalista.

 

Post Footer automatically generated by wp-posturl plugin for wordpress.

Tiny URL for this post:
 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *